sexta-feira, 21 de março de 2014

Entrada dos toiros para as corridas


Santarém - Antiga e desaparecida Praça de Toiros

Com o andar dos anos, sem sabermos bem porquê, vêm-nos à memória coisas que passámos ou assistimos na nossa infância e que nos aparecem com grande claridade, o que não acontece com factos recentes que por vezes esquecemos totalmente ou quase.

Vem isto a propósito de recentemente vir - nos à memória como se realizava o transporte dos toiros que iam ser lidados no dia seguinte na antiga praça de toiros situada nas proximidades da Estrada de S. Domingos.

Acontece que os nossos avós paternos moravam numa casa que compraram e aumentaram, situada mesmo junto à praça de toiros havendo só entre elas um muro que ficou do antigo convento de São Domingos.

O quintal dessa casa fazia extrema com a manga pela qual entravam os toiros para a corrida através de uma porta de arco perfeito e cujas folhas eram de madeira, pintada de um vermelho escuro.

Os toiros provenientes das ganadarias próximas que eram, naturalmente, referidas nos cartazes de propaganda do espectáculo.

O que descrevemos passou-se há mais de sessenta anos, próximo dos setenta.

O transporte era feito de noite pelos campinos e os toiros, naturalmente, acompanhados pelos cabrestos indispensáveis nas corridas para a recolha aos chiqueiros após a lide.

Os santarenos sempre foram grandes entusiastas destes espectáculos e os que estavam na idade pujante sabiam o trajecto que os toiros levavam passando sempre pelo Campo Fora-de-Vila. Além de gostarem de assistir a essa passagem, procuravam tresmalhar um dos animais para seu gáudio, colocando a vida em perigo já que os amimais vinham em pontas.

Era um problema para os campinos, pois a situação dava-lhes grande trabalho, mas não se empertigavam com os homens, percebiam perfeitamente o gosto que as pessoas tinham por passar por estas situações.

Em casa dos nossos avós ninguém se deitava, a não ser a avó pois já estava muito velhinha e débil. Filhos noras e netos não deixavam de lá ir e colocavam-se junto à manga para poder apreciar a entrada acompanhada de gritos próprios e típicos de tal espectáculo, possivelmente hoje desconhecidos. “Lá vêm eles” era aquilo que todos nós queríamos ouvir. Fazia-se grande algazarra à sua passagem e quando calhava algum passar mais próximo do muro havia quem lhe passasse a mão pelo lombo.

A pessoa mais entusiasmada por esta situação era uma tia, grande apaixonada pelos toiros. Já entrada na idade acompanhámo-la várias vezes às picarias da Feira do Ribatejo ficando, naturalmente, na bancada e nós íamos lá para dentro, não para correr à frente do toiro mas para ir gerindo a posição do animal e precavermo-nos de qualquer situação menos agradável. Lembramo-nos que numa situação destas, talvez em 1962, ao ir chamar a tia para regressarmos a casa, vimo-nos em apuros, já que o cornudo apareceu e tivemos que nos elevar para que ele pudesse passar. O animal lembrou-se de parar e então ainda que de uma maneira leve tivemos que comer “sopa de corno” como se dizia (hoje não sei) em Santarém e arredores.

Só mais uma vez passámos por uma situação semelhante e aconteceu numa picaria na aldeia da Romeira, concelho de Santarém.

Anos depois os toiros começaram a ser transportados em jaulas nas camionetas e eram despejados à entrada da manga, deixando assim a possibilidade de procurar tresmalhar algum toiro como era apanágio dos escalabitanos.


Aqui fica mais uma memória dos “Quadros de Santarém do meu tempo” que transmitimos aos meus hipotéticos leitores, procurando retratar a vida de Santarém na nossa infância e juventude.

terça-feira, 4 de março de 2014

Luís Alberto Oliveira



Luís Alberto Oliveira nasceu em Coruche em 1880.

Seguiu a carreira militar. Era um bom esgrimista ,o que levou D. Carlos a chamá-lo para dar lições dessa arte ao filho mais novo, mais tarde D. Manuel II, pelos motivos que todos sabem.

Já como tenente, em 1912, é destacado para Angola no exercício das suas funções que exerce com profissionalismo e dignidade.

Incorporado no Corpo Expedicionário Português e já como capitão foi para França em 1917.

Regressa a Portugal por motivos de doença e com Sidónio Pais no poder, este nomeia-o Governador Civil de Coimbra desde Agosto de 1918 e Fevereiro de 1919.

Em Dezembro de 1930 é nomeado 1º Comandante do Batalhão de Caçadores 5, funções que cessa em Dezembro de 1937, altura em que passou à reserva.

Interrompe as funções que estava exercendo entre Abril de 1933 e Outubro de 1934 para exercer as funções de Ministro da Guerra, já major.


Alberto Oliveira pertencia à ala republicana militar-conservadora que não jogava bem com a ditadura salazarista a que tinham aderido outros militares com as mesmas características.

É por isso que as divergências com Salazar são manifestas e mesmo expressas publicamente, o que originou o pedido de demissão de Oliveira Salazar, acabando por Carmona reiterar-lhe a confiança. Claro que Luís Alberto Oliveira. foi substituído por Passos e Sousa.

Trabalhou para a construção das pontes da sua terra natal, já que as existentes eram provisórias e de madeira maltratadas e destruídas várias vezes pelas cheias do Sorraia. Quando isso acontecia, as pessoas e mercadorias eram transportadas em barcaças.

Gen. Teófilo da
Trindade
A primeira, a que deram o nome de General Teófilo da Trindade, penso que então Presidente da Junta Autónoma das Estradas, foi inaugurada em 16 de Agosto de 1930, tendo assistido à inauguração o Presidente da República.

Dois anos depois são inauguradas as restantes. O acesso de Coruche ao sul, leste e nordeste do país ficou assim bastante facilitado por acção deste coruchense que muito prezava a sua terra.

A construção das pontes teve, naturalmente, influência no leito do rio devido a assoreamentos que não existiam e a outros factos que fizeram surgir a Avenida marginal Luís de Camões e o jardim.

Montagem de telefones, canalizações de água ao domicílio e rede de esgotos parece que também tiveram a sua mão e daí lhe ter sido erguido um busto sobre pedestal em frente da Câmara Municipal, o que foi destruído no dia 18 de Março de 1975 por  gente que“viera de fora” (toda a gente sabe que não era de fora, era do concelho) montada em camionetas e tractores, comandados por um alferes vindo de Vendas Novas.(*)

Faleceu em 1956.
________________________________

Dicionário de História do Estado Novo, Fernando Rosas e J.M. Brandão de Brito, Vol. II, pp. 686, 687.

História de Portugal, O Estado Novo, 7 Vol.Dir. de José Matoso – Coord. de Fernando Rosas, p 166.



segunda-feira, 3 de março de 2014

Carlos Machado


Santarém foi sempre terra de gente ligada às artes onde se inclui, naturalmente, a música,

Carlos Maria Machado nasceu em Santarém em 1814.

Na sua terra cursou os primeiros estudos para vir a seguir a carreira eclesiástica que acabou por abandonar no período da Guerra Civil.

Além de compositor musical dedicou-se e era um bom organista, funções que esteve exercendo durante algum tempo na vila de Coruche, onde desempenhou as funções de organista na igreja Matiz que tinha na altura uma colegiada.

Escreveu música religiosa e alguns trechos para piano de que se imprimiram dois: Valsa Brilhante e uma Mazurca.

Regressou a Santarém onde veio a falecer a 26 de Outubro de 1865.

__________________________________


Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol. 15 p. 757.

domingo, 2 de março de 2014

Silva Gameiro (Barão)


Aires Coelho da Silva Gameiro nasceu em Santarém em 17 de Dezembro de 1808 e faleceu em S. Paulo, Brasil, a 3 de Julho de 1876.

O título de Barão de Silva Gameiro veio-lhe a ser concedido pouco tempo antes de falecer, mais concretamente em 1874, carta de título de 20 de Agosto, por Decreto de D. Luís I, ficando registada no Livro Geral de Mercês, liv. 2, f. 309.

Castelo de Santarém
Casou um pouco tardiamente (1857) com D. Luísa Eufrásia Quartin , viúva de António de Paiva Azevedo que igualmente faleceu em S. Paulo em 1883, filha do tenente-coronel do exército brasileiro António Maria Quartin.

Foi Presidente da Instituição Beneficência de S. Paulo entre (1859 – 1862).

Foi único Barão de Silva Gameiro, até porque não deixou descendência.

__________________________________________

Nobreza de Portugal, Vol III, 1961, p. 387.


Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol 28, p. 867.

sábado, 1 de março de 2014

António Marques Esparteiro





António Marques Esparteiro nasceu na freguesia de Mouriscas, concelho de Abrantes, a 21 de Outubro de 1898. Era filho de Luís Marques Esparteiro, comerciante e de Engrácia Lopes. Eram oito irmãos e todos fizeram os seus estudos.

Frequentou a Escola Naval e tirou o Curso de Artilharia no Royal Naval College de Greenwich e na Gunnery School de Portsmouth e o Curso Naval de Guerra. Sai assim, oficial da Marinha.

Nas suas funções de oficial da Marinha foi director da Escola de Alunos Marinheiros (1927), comandou o torpedeiro Lis e o vapor Lidador.

Como capitão-tenente exerceu, igualmente, as funções de comandante da Defesa Marítima do Porto de Leixões e Barra do Douro (1943), tendo comandado interinamente as forças navais do Estado da Índia e foi comandante do Aviso Afonso de Albuquerque.

Este Aviso veio a ser destruído em combate em Dezembro de 1961 por uma força da União Indiana. Defrontou 6 navios de guerra e era seu capitão o capitão de mar e guerra Cunha Aragão.

Fez parte da Missão Naval da Fiscalização dos Avisos de 1ª classe construídos em Inglaterra.

Foi Director-Geral da Marinha e desempenhou as funções de vogal do Conselho Consultivo do Museu da Marinha e da Comissão da História Militar. Esteve igualmente ao serviço da Marinha de Guerra na Embaixada de Portugal nos Estados Unidos da América.

Passou à reserva como capitão de mar e guerra em 21 de Agosto de 1958, por isso, ao fazer 60 anos.

Naturalmente que pelo trabalho desempenhado foi agraciado com variadas condecorações.

Tudo isto era mais do que suficiente para que fosse classificado de figura ribatejana a destacar, mas o capitão-de-mar-e-guerra António Marques Esparteiro além de ter deixado obra escrita sobre a sua profissão, foi um grande escritor e dicionarista. É das suas mãos que sai em 1936 o valioso trabalho Dicionário Ilustrado da Marinha, de que vieram a sair mais duas edições, uma em 1943 e outra em 2001.

São dezenas os trabalhos publicados, estando quase todos relacionados com a marinharia.

Faleceu em finais de 1976.
______________________________________

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Grande Enciclopédia Luso-Brasileira.

Blogue Mouriscas, Terra Grande, Terra Nossa.

Cabodofimdomundo,blogspot,pt/2010/05/nrp-afonso-de-albuquerque,html


sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Vasconcelos e Sousa


José Maria Rita de Castelo Branco Correia da Cunha Vasconcelos e Sousa nasceu em Salvaterra de Magos no dia 5 de Fevereiro de 1788.

Era filho do 1º Marquês de Belas, José Luís de Vasconcelos e Sousa e de sua mulher, a Marquesa D. Maria Rita de Castelo Branco e Cunha.

Casou a 29 de Agosto de 1804 com D. Maria José de Melo Meneses e Silva, senhora dos morgados da Figueira e Landeira, filha única e herdeira de D. José de Melo Homem, senhor dos morgados, moço fidalgo com exercício no Paço, coronel de Ordenanças da Corte e de sua mulher D. Maria Inês de Almeida.

D. Maria José de Melo Meneses e Silva faleceu no Rio de Janeiro a 4 de Maio de 1818 não deixando descendência.

Foi veador da princesa do Brasil D. Maria Benedita, comendador de Santa Maria de Gulfar e de São Pedro de Vale de Ladrões, ambos na Ordem de Cristo.

Passou a 2ªs núpcias a 11 de Fevereiro de 1822 com D. Maria Amália Machado de Mendonça Eça Castro Vasconcelos Orosco e Ribera, senhora da Quinta da Torre e de variadíssimos vínculos e que veio a falecer a 28 de Dezembro de 1863.

Vasconcelos e Sousa veio a ser 1º Conde da Figueira por concessão de D. João VI sendo ainda regente do Reino e por Decreto de 13 de Maio de 1810.

É Par do Reino por carta régia de 30 de Abril de 1826.

Possuidor da Grã Cruz das Ordens de Nª Sª da Conceição, da Torre e Espada e de Carlos III de Espanha.

Foi Grande de Espanha (1ª classe), Marquês de Olias e Zursial na Catalunha e Marquês de Mortara no Ducado de Milão, isto devido ao seu 2º matrimónio de que houve larga descendência.

Fez parte da expedição portuguesa e Pernambuco em 1817.

Pernambuco actual
Governou como capitão-general a Província do Rio Grande do Sul de 1818 a 1821.

Em 1833 serviu de ajudante do Infante D. Miguel como comandante em chefe, sendo sempre um dedicado Legitimista.

Faleceu em Lisboa a 16 de Março de 1872 como Brigadeiro reformado.
___________________________________

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Dicionário Corográfico de Portugal Continental e Insular, de Américo Costa, Vol VI, 1938, p.754 – 755.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Rita Andrade




Rita Clara Freire de Andrade nasceu no monte de Bilrete, concelho de Salvaterra de Magos em 1758.

Traduziu em verso a Arte poética de Q. Horácio Flacco., Coimbra, 1781.

Como casou com o professor de Gramática Latina, em Algodres, Bartolomeu Cordovil Se-queira e Melo, há quem atribua a tradução a ele e não a ela pois estaria mais habilitado a tal.

Esta tradução é considerada claramente superior às já feitas por Cândido Lusitano e Miguel do Couto Guerra.


O que parece sem sombra de dúvida é que a salvaterrense cultivou a poesia ainda que não se lhe conheça nenhum livro editado.


________________________________

Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol XI, p. 837
Dicionário Corográfico de Portugal Continental e Insular, Vol.III, 1932.


quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

José Maria de Moura


Teria nascido em Vila Franca de Xira em 1772, originário de uma família abastada seguiu a carreira militar, alistando-se em 1795.

Em 1808 organizou em Plymouth, com emigrados portugueses, a Legião Lusitana, conduzindo-a em seguida para o Porto,

D, Afonso VI fê-lo sub-inspector de Artilharia no Rio de Janeiro e agraciou-o com a Comenda de Sta. Eufémia da Vila de Penela, da Ordem de Avis, tendo em consideração os serviços que prestou durante a Guerra Peninsular.

Comandou o Regimento de Artilharia nº 3 de 1811 a 1819.

Em 1819 é elevado por D. João VI ao posto de brigadeiro, sendo depois promovido ao posto mais elevado, ou seja, tenente-general.

É nomeado em 1821 Governador de Armas de Pernambuco (Brasil), funções que exerceu até Dezembro do ano seguinte.

Assume depois o Governo da Província do Grão Pará em 1 de Abril de 1822, notabilizando-se pelo comando das tropas portuguesas acantonadas em Belém e que combateram na Guerra da Independência do Brasil até à sua capitulação em 15 de Agosto de 1823, altura em que se retiraram para Portugal.


O Brasil tornou-se independente de Portugal em 7 de Setembro de 1822, mas o Grão-Pará não aceitou o governo Brasileiro e preferiu ficar ligado a Portugal.

Foi grande a excitação passada nesta Província onde o cónego Batista Campos apoiado por comerciantes brasileiros consegue reunir um número suficiente de pessoas para jurar fidelidade à Constituição Lusitana, isto em 1823. Depois a Junta Governativa pelo Imperador, os rebeldes exigiram a formação de um governo popular sob a chefia de Baptista Campos.

Vários movimentos tiveram lugar uns com vista à inclusão no Brasil e outros à ligação a Portugal.

O brigue do capitão Greenfell, em nome do Imperador e em 15 de Agosto de 1823 deu uma salva de 21 tiros proclamando a adesão do Pará à Independência do Brasil, tendo havido durante este período um grande número de vítimas de ambos os lados.

Escreveu: Exposição dos motivos pelos quais o marechal de campo José Maria de Moura não tem podido ir para o Porto, reunir-se ao exército de S.M.F. a Rainha de Portugal, do comando do seu augusto pai o duque de Bragança. Dunquerque, 1833.

Reparar que a cidade de Santarém, junto ao Amazonas, faz parte de Grão-Pará.

José Maria de Moura veio a falecer na sua terra natal a 10 de Janeiro de 1836

______________________________________

Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol. 18, p. 20.

Enciclopédia Mirador Internacional, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasil, 1981, Vol. 16, p.8553.


http://parahistorico.blogspot.pt/2009/02/adesao-independencia-e-rebelioes-no.html
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


domingo, 23 de fevereiro de 2014

João Serras e Silva


Nasceu na freguesia de Alcaravela, concelho do Sardoal, em 15 de Janeiro de 1868 filho de Rita Serras e Silva e de António Serras e Silva.

Ficou órfão em criança e só aos 15 anos pode começar os estudos secundários.

Faz no curto espaço de 3 anos o curso do liceu em Portalegre.

Ingressando na Faculdade de Medicina em 1891 conclui o curso em 1896.

Doutorou-se em 1898 dissertando sobre “A hereditariedade da sífilis”, “O alcoolismo” e “O clima de altitude e a tuberculose pulmonar.

Ajuda a organizar em Coimbra o Congresso Nacional da Tuberculose, o primeiro realizado em Portugal, ocupando-se do papel das toxinas na hereditariedade da tuberculose, trabalho que Charles Lepierre classificou de notável.

Foi professor Catedrático na Faculdade de Medicina cabendo-lhe o ensino da Higiene, o que fez até 1933, sendo depois nomeado Director Geral da Saúde Escolar, funções que exerce até 1938.

Homem de vasta cultura como professor, pedagogo, sociólogo e higienista exerceu uma acção fecunda.

Interveio em vários congressos de medicina em Portugal e no estrangeiro.

Escreveu numerosos artigos científicos da sua área em jornais e revistas.

Monárquico, militou no partido de João Franco e foi amigo do Professor Doutor Oliveira Salazar, pelo que foi Procurador à Câmara Corporativa.

Faleceu em Lisboa em 8 de Abril de 1956.
_________________________________

Sardoal com Memória 
Enciclopédia Verbo Luso-Brasileira de Cultura, Edição Século XXI, Vol 26, pp 1174 e 1175
Boletim da Junta de Província do Ribatejo, 1937 – 1940 (Editor Abel da Silva), p.580

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Arantes de Oliveira




Eduardo Arantes de Oliveira nasceu em Tomar em 1907 e faleceu em 1982.

Frequentou o Colégio Militar, realizou os estudos preparatórios de engenharia na Escola Politécnica de Lisboa, passando depois para a Escola do Exército onde se forma em engenharia militar em 1923. Entre esta data e 1926 frequenta na Faculdade de Ciências de Lisboa as cadeiras preparatórias do curso de engenharia civil da Antiga Escola Militar, curso que termina em 1929. Nesta altura, é promovido a alferes e em 1947 é major. E cinco anos depois passa à reserva.

Foi professor nos cursos de engenharia militar e do Instituto Profissional dos Pupilos do Exército

Arantes de Oliveira foi, fundamentalmente, um engenheiro mais do que um militar. Mas igualmente um político.

Dedicou muito da sua actividade de engenharia à hidráulica sanitária, tendo publicado a obra “Os Esgotos de Lisboa” a mandato da Câmara Municipal de Lisboa de que foi Director dos Serviços de Urbanização e Obras até 1947.

Quanto à habitação foi dos principais responsáveis pela concepção e planeamento do Bairro de Alvalade em Lisboa.

Toma posse no dia 2 de Abril como primeiro director do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

Em 1954 Salazar chama-o para Ministro das obras Públicas em substituição de José Frederico Ulrich, funções que desempenha até 12 de Abril de 1967. Nesta pasta desenvolveu a electrificação do país e foi o motor de variadíssimas construções, como a ponte sobre o Mondego em Coimbra, o Palácio da Justiça em Lisboa e o Padrão dos Descobrimentos, entre outras. Também mereceu o seu cuidado a Ponte Salazar, hoje 25 de Abril.

A 4 de Abril de 1967 toma posse do lugar de presidente do Conselho Superior de Fomento Ultramarino e em 13 de Setembro desse ano é Administrador da Companhia dos Diamantes de Angola.

É nomeado Governador-Geral de Moçambique em 1970, numa altura em que começa o projecto da Barragem de Cahora-Bassa, lugar que ocupa até 1972.

Nunca se filiou na UN, mas Marcelo Caetano “obrigou-o”a aderir à ANP.

Homem sem política marcada, havido como técnico de alta envergadura, recrutado pela sua lucidez e capacidade de realização e da escola de Duarte Pacheco, é como o define Franco Nogueira.

Era Doutor honoris causa pela Universidade de Lisboa (Faculdade de Ciências) e possuidor da Grã-Cruz da Ordem de Cristo, da Ordem de Santiago de Espada, da Ordem do Infante D. Henrique e das brasileiras, Ordem do Cruzeiro do Sul e Ordem do Rio Branco.

___________________________________

Dicionário de História do Estado Novo, Vol II, Bertrand Editora, 1996.

www.lnec.pt/apresentacao/arantespai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Manuel Lopes de Almeida


Nasceu na castiça vila de Benavente em 16 de Agosto de 1900, filho de Joaquim Cândido de Almeida e de Maria Justina de Almeida.

Licenciou-se em Ciências Históricas e Geográficas na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra em 1930, ingressando como professor auxiliar da mesma no ano seguinte, obteve o doutoramento na mesma em 1940, e dela foi Professor Catedrático,

Ainda como estudante universitário desempenhou as funções de leitor de Língua e literatura Portuguesa na Universidade de Hamburgo entre 1927 /1929.

Em 1945 assume o lugar de Director Geral da Biblioteca da Universidade de Coimbra, funções que vão até à jubilação em 1970.

Juntamente com o P. António Joaquim Dias Dinis e Idalino Ferreira da Costa Brochado fez parte da Comissão Nacional do V Centenário da morte do Infante D. Henrique, colaborando na feitura da Monumenta Henricina.

Fez parte do Instituto de Coimbra da Associação dos Arqueólogos Portugueses, do Instituto Histórico Geográfico de São Paulo, da Academia de Artes e Letras de Roma, da Academia Portuguesa de História e da Academia das Ciências de Lisboa.

A par da carreira académica desenvolveu a política.

Em 1934 é chefe de gabinete do Ministro da Educação, primeiro passo para chegar em 1937 a deputado da Assembleia Nacional sendo seu primeiro secretário. Em 1940 é nomeado Director-Geral do Ensino Superior de Belas Artes e logo a seguir Secretário de Estado da Educação Nacional, lugar em que se mantém até 1945.

Este traquejo político leva-o a titular da pasta da Educação Nacional entre 4 de Maio de 1961 e 4 de Dezembro de 1962.

A sua passagem pelo Ministério ficou marcada pela designada crise académica de 1962, onde pautou a sua posição por uma acção repressiva perante os estudantes, chegando mesmo a introduzir a polícia nas universidades e tendo encontrado crítica de alguns professores.

Foi condecorado com o grau de Oficial da Ordem Militar de Cristo (17.03.1938), de Comendador da Ordem do Cruzeiro do Sul, com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique (19.07.1961), de Oficial da Ordem Militar de Santiago de Espada (19.08.1970) e outras.

Faleceu em Coimbra a 15 de Dezembro de 1980.

______________________________

Dicionário de História do estado Novo, Fernando Rosas e J.M. Brandão de Brito, Volume I, Bertrand Editora 1996 p.39.

Enciclopédia Verbo Século XXI.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

António Augusto Antunes


Nasceu em Santarém em 18 de Setembro de 1891 este escalabitano, engenheiro agrónomo que obteve o curso no Instituto Superior de Agronomia.

Quando era alferes miliciano foi condecorado pelo Presidente da República com a Ordem de Comendador da Classe de Mérito Agrícola (27 de Janeiro a 25 de Agosto de 1932).

Foi oficial de artilharia e esteve na 1ª Guerra Mundial, vindo a ser agraciado com
 as Medalhas da Vitória e da Campanha da Flandres e Fourragere.

Foi professor técnico da Escola de Agricultura de Santarém (1920), Chefe da delegação de Santarém da Bolsa Agrícola (1925), Chefe da Brigada Técnica do Ribatejo (1937 – 1944), Inspector Fitopedagógico da Repartição dos Serviços Fitopedagógicos (1937).

 
Vindima ao modo antigo.

Por outro lado, foi Director da Escola Viti-Vinícola do Centro Litoral (1932), nomeado
para a Comissão Internacional Permanente de viticultura e enologia (1932), Delegado Técnico do Ministro da Agricultura à Conferência Internacional do Vinho em Barcelona (1929), para a Comissão Permanente Internacional de Viticultura e Enologia  em 1932, Delegado Técnico do Ministério da Agricultura à Conferência Internacional do Vinho, em Paris, em 1932 , representante de Portugal no Congresso Internacional do Vinho em Bordéus, 1928 , no II Congresso Internacional do Vinho em Barcelona , em 1929 e no V Congresso Internacional da Vinha e do Vinho (1938).

Publicou numerosas obras sobre assuntos agrícolas, entre os quais “O que É  e o Que Devia Ser a Olivicultura e a Oleicultura  Estremenha (1923), ”Técnica Moderna dos Vinhos e Azeites” de colaboração com o engenheiro agrónomo Mário Matos (1926), “Notas sobre o Congresso da Vinha e do Vinho sobre o Super-Quatre em Portugal” (1930); “Em Defesa do Vinho”, premiado pelo Office Internacional du Vin; “O Comércio da marca do Vinho Estremadura (1933); “Curso Prático da Vinificação – Fabrico do Vinho” (1933); “Ribatejo Agrícola” (1934); “Ribatejo Vinícola” (1946) e”Notas sobre o Ribatejo e seu Calendário Agrícola”.

Produziu, igualmente, muitos artigos de ordem técnica que espalhou por vários periódicos, revistas e livros de que é exemplo “O Ribatejo Agrícola” publicado no Boletim da Junta Geral do Distrito de Santarém.

Faleceu na sua terra natal a 19 de Maio de 1960.
________________________________

Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol. 38, p. 439.

Arquivo Histórico da Presidência da República.

Boletim da Junta Geral do Distrito de Santarém, Ano III, nº 37 a 42, 1933.


domingo, 16 de fevereiro de 2014

Alves Redol



António Alves Redol nasceu em Vila Franca de Xira a 29 de Dezembro de 1911, vindo a falecer em Lisboa a 29 de Novembro de 1969. Era filho de António Redol da Cruz, um pequeno comerciante ribatejano e de Inocência Alves Redol.

Frequentou o Colégio Arriaga em Lisboa onde concluiu o Curso Comercial em 1927, seguindo depois para Angola, Luanda, no “Niassa” a 5 de Abril de 1928 no sentido de poder encontrar uma vida melhor, o que não veio a acontecer

Escreve aos 15 anos o seu primeiro artigo para a imprensa regional no caso na “Vida Ribatejana”, de Vila Franca de Xira.

Regressa a Portugal em 1930 onde exerce várias profissões, envolvendo-se também na oposição à política do “Estado Novo” que combate já sendo membro do Partido Comunista.

Colaborou, entretanto, com o jornal “O Diabo”.

Encontra na literatura a maneira de combater o regime salazarista com a sua escrita neo-realista de que se torna figura de referência tanto no romance como no teatro.

Considerado como o primeiro romancista desta nova tendência, encontrou larga aceitação, interessando-se pelo drama social do Ribatejo.

Em 1939 publica o primeiro romance, “Gaibéus”, cujo assunto se relaciona com os problemas sócio-económicos  vividos pelos ceifeiros.

Naturalmente começa a sofrer os ataques próprios da sua abordagem e situação com os quais não se importa minimamente. Esta postura, valeu-lhe o êxito junto do grande público que contrabalançou bem com o ataque violento da crítica que lhe apontava deficiências de escrita. Desde a limguagem simplória às tramas romanescas.

Redol quer antes de tudo que os seus livros sejam documentos humanos.

Alves Redol publica seguidamente “Marés” (1941), “Avieiros” (1943), “Fanga” (1944), “Porto Manso” (1946), “A Barca dos Sete Lemes” (1958), “Uma Fenda na Muralha” (1959), “Barranco dos Cegos” (1962), considerada a sua obra prima. “Glória, Estudo Etnográfico”, escrito em 1938 só foi publicado postumamente.

Todos estes trabalhos têm várias edições indo “Fanga” pelo menos na 9ª.

Para teatro escreveu “A Forja” (1948) e “O Destino Morreu de Repente” (1967) que foram. Naturalmente, objecto de censura para serem levadas a cena.

Possivelmente, a obra literária de Alves Redol marcará significativamente a literaturas dp século XX pela desigualdade formal do valor artístico e a grande capacidade de rigor da realidade social-

______________________________

Dicionário de História do Estado Novo, Fernando Rosas e J.M. Brandão de Brito, Vol. II, Bertrand Editora, 1996, pp 820 e 821.

História da Literatura Portuguesa, António Jo´se Satraiva e Óscar Lopes, Porto Editora, Limitada, 1982, pp. 1084 e 1085.

htt://infopedia.pt/$alves-redol

htt://www,citi,pt/cultura/artes_plasticas/desnhos/álvaro_cunhal/Redol.html

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Alfredo Augusto Holtreman




O 1º Visconde de Alvalade chamava-se Alfredo Augusto das Neves Holtreman e nasceu em Santarém no dia 6 de Abril de 1837, tendo sido agraciado com o título em 22 de Julho de 1898 pelo Rei D. Carlos.

Era filho de António Maria Ribeiro da Costa Holtreman e de Libânia Augusta das Neves e Melo.

Bacharelou-se em Direito na Universidade de Coimbra e fixou-se em Lisboa numa das quintas da família no Lumiar, tornou-se um advogado de grande prestígio na capital.

Casou em 1859 com D. Julieta Natalina Luísa Guerin, de quem teve duas filhas. uma delas foi mãe de Jose´Alfredo Holtreman Roquete (vulgo José Alvalade) que veio a ser o impulsionador da fundação do Sporting Clube de Portugal.

Alfredo Holtreman fomentava o convívio dos netos com outros rapazes da mesma idade na sua luxuosa mansão.

O neto José lembrou-se de fundar um grande clube e para tal não esqueceu o avô a quem solicitou o seu auxílio (1904). Cedeu-lhe 200 mil réis em dinheiro e disponibilizou terrenos (local onde se encontra o Estádio José Alvalade) da sua quinta para a construção de instalações indispensáveis ao seu desenvolvimento.

Em 1906 era classificado como Presidente Honorário do Clube.

É assim que nasce o grande Clube que é o Sporting Clube de Portugal e é ele próprio que redige os 1ºs Estatutos do Clube. Como seu protector, é eleito o 1º Presidente do Clube, funções que cessa em 1910, passando então a presidir à Assembleia-Gera, o que acontece até 1917.

Em 1910, com a Implantação da República, veio a esmorecer um pouco o seu interesse pelo Clube, até porque acompanhou o exílio da Família Real para Londres.

Em 1912 é sócio de Honra.

Faleceu a 7 de Julho de 1920, depois do neto, o que muito o desgostou e o fez afastar do Clube.
____________________________________


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.




Nobreza de Portugal e do Brasil", Direcção de Afonso Eduardo Martins Zúquete, Editorial Enciclopédia, 2.ª Edição, Lisboa, 1989, Volume Segundo, p. 265

http://wikisporting.wikidot.com/alfredo-augusto-das-neves-holtreman


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Manuel Joaquim Nogueira

Catedral de Angra do
Heroísmo
Viu a luz do dia em Tomar a 5 de Novembro de 1787 e veio a falecer em Caldas da Rainha a 2 de Janeiro de 1862.

Era filho de Agostinho José Nunes e de D. Maria Rosa Nogueira. Casou com Ana Justina Emílio Zagalo Freire do Amaral de que nasceu Rodrigo Zagalo Noqueira que veio a ser médico de consideráveis recursos.

Era estudante da Universidade de Coimbra quando em 1808 Junot invadiu Portugal.

Para defesa da pátria, alista-se imediatamente no Batalhão de Voluntários Académicos que se organizou naquela cidade universitária.

Em 1813 era alferes de 1ª linha, altura em que pede a demissão a fim de acabar o curso que tinha interrompido. Formou-se, assim, em direito e começou a exercer a sua actividade forense na terra natal onde se manteve até 1823, altura em que vai para os Açores, mais propriamente, para Angra do Heroísmo.

De formação liberal, em 1828, toma parte na revolta com esse cariz na ilha Terceira, sendo um dos conjurados da Revolução de 22 de Junho acabando por ser nomeado Secretário do Governo Provisório que ali se instalou e é nessa qualidade que vai a Inglaterra e ao Rio de Janeiro participar que estava estabelecido um Governo Constitucional.

Regressando à Terceira é nomeado Juiz da Relação de Angra do Heroísmo, lugar entretanto criado, foi Secretário da Junta do Paço e da Junta de Agricultura.

Fez parte do exército liberal que desembarcou nas proximidades do Mindelo como oficial maior da secretaria da Justiça.

Com a vitória do liberalismo foi Juiz da Relação de Lisboa, sendo aposentado como Juiz do Supremo Tribunal de Justiça.

Foi agraciado com a Comenda da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa e condecorado com a Cruz de Ouro da Guerra Peninsular.

Era fidalgo-cavaleiro.

Ainda que tivesse falecido em Caldas da Rainha os seus restos mortais foram trasladados para o jazigo de família no cemitério do Livramento na cidade de Angra do Heroísmo.
_______________________________________ 


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Custódio Maldonado Freitas


Ribatejano que há muito conhecia de nome mas não fazia a mínima ideia que fosse natural da freguesia de Atalaia, concelho de Vila Nova da Barquinha.

Nasceu na dita aldeia a 13 de Julho de 1886 mas veio cedo para Caldas da Rainha onde veio a falecer em 15 de Abril de 1964.

Depois de frequentar a Escola de Farmácia do Porto vem para Caldas da Rainha por volta de 1905 e em 1910 já possuía a sua farmácia nesta povoação, em franco desenvolvimento.

De fortes e convictas ideias republicanas tornou-se membro maçónico (Loja Fraternidade de Óbidos) e adepto da carbonária.

Preso por motivos políticos várias vezes, a primeira e durante 70 dias deu-se ainda durante a Monarquia.  Voltou ao cárcere entre 1947-03-21/1948-04-24.

Vem a ter acção destacada na proclamação da República em Caldas da Rainha.

Em 1911 e devido à Lei da separação da Igreja do Estado, o que foi aprovado, reúne-se na Foz do Arelho em casa de outro grande republicano, Francisco de Almeida Grandela, igualmente ribatejano, com figuras gradas do republicanismo, como o Dr. Afonso Costa, Sebastião Lima e o deputado Afonso Ferreira, entre outros.

Passa então a ser o Administrador do concelho de Caldas da Rainha e o Presidente da Comissão Administrativa do Hospital local, Rainha D. Leonor.

Na Rotunda de Caldas  por volta de 1915, lidera um grupo de marinheiros, consegue a devolução da Câmara aos Republicanos.

Foi deputado da Nação e delegado do Ministério da Agricultura (1920) e Presidente do Município.

Criou e dirigiu os Jornais “Direito do Povo” e “Regionalista”.
______________________________________

“Figuras Notáveis do Ribatejo”, Correio do Ribatejo por Jorge Ramos.



sábado, 8 de fevereiro de 2014

Luís Ferreira Roquete




Foi o 1º Barão de Salvaterra de Magos por decreto de 29 de Agosto de 1870, título que lhe foi concedido por D. Luís.

Nasceu a 19 de Abril de 1823, filho de António Ferreira Roquete e sua mulher D. Rita de Melo Travassos ambos nascidos em Salvaterra de Magos, ele a 1 de Setembro de 1787 e ela a 7 de Fevereiro de 1791.

Fidalgo Cavaleiro da Casa Real, político e grande empresário agrícola e proprietário.

Foi Comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa e da Ordem de Isabel a Católica de Espanha.

Foi Presidente da Câmara, tanto de Benavente como de Salvaterra de Magos.

Casou em Lisboa na freguesia de São Julião a 7 de Agosto de 1848 com Maria Isabel de Magalhães e Araújo, natural de Lisboa, Sta. Justa onde nasceu em 1830.

Era filha de Domingos de Magalhães e Araújo, Senhor da Casa da Devezinha, em Bobadela, Cabeceiras de Bastos e de sua mulher Maria Augusta de Carvalho.

Do enlace foi primogénito José Ferreira Roquete, 2º Barão de Salvaterra e o 5º filho casou com a herdeira da 2ª Viscondessa da Fonte Boa.
_____________________________________

Dicionário Corográfico de Portugal Continental e Insular, Américo Costa, Vol. X, p.534.

Nobreza de Portugal e do Brasil, Dir. de Afonso Martins Zúquete., Vol. III. Lisboa, 1989.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Justino Mendes de Almeida


Ribatejano da castiça Benavente onde nasceu em 1924 e faleceu em Lisboa aos 88 anos, mais precisamente no dia 18 de Julho de 2012.

Licenciou-se em Filologia Clássica na Faculdade de letras da Universidade de Coimbra, tendo realizado o seu doutoramento em Filologia Clássica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa onde foi assistente leccionando latim e grego.

Politicamente exerceu os seguintes cargos:
Subsecretário de Estado da Administração Escolar de 1968 a 1971;
Presidente da Junta de Investigações do Ultramar;
Presidente do Grupo de Missões Científicas do Zambeze;
Inspector das Bibliotecas e dos Arquivos;
1961-1968 – Director-Geral da Educação do Ministério do Ultramar;
1968-08-19 a 1971-05-24 – Subsecretário de Estado da Administração Escolar;
1972 – Procurador à Câmara Corporativa por indicação do Conselho Corporativo;
Presidiu à Secção de Linguística da Sociedade de Geografia de Lisboa.

Com o derrube do Governo instituído, foi fundador, vice-.reitor e reitor da Universidade Autónoma de Lisboa, leccionando as cadeiras de História da Cultura Portuguesa, Humanismo e Renascimento e Epigrafia, isto no âmbito da licenciatura em História e também Literaturas Modernas e Relações Internacionais.

Foi vice-presidente da Academia Portuguesa da História.

Da sua bibliografia fazem parte entre outras, as seguintes obras:

Sobre um virgilianismo d'Os Lusíadas (1951);
Nota camoniana (1955);
Estudos de Epigrafia Latina (1958-1965);
As informações linguísticas de Suetónio nas vidas dos doze Césares (1959) e
O Lexicógrafo Agostinho Barbosa (1965).

Colaborou com o Correio do Ribatejo, de Santarém
_____________________________________

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Entrevista de Justino Mendes de Almeida ao Jornal Mirante.


quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Moita Macedo

Autor - Hugo Beja
José Albano Pinto Moita Soares de Macedo de seu nome completo ficou conhecido na arte plástica como pintor lírico e expressionista, gestual, abstracto, trágico e na poesia como Moita Macedo.

Nasceu em Almeirim, freguesia de Benfica do Ribatejo em 17 de Outubro de 1930.
É originário de uma família tradicional onde avulta a figura do avô, Cap, médico José Luís dos Santos Moita que era natural da freguesia de Alcanena e que tomou posse de Governador Civil de Santarém em 7 de Julho de 1919 e deputado da I Assembleia Constituinte. Consta-nos que o Dr. Santos Moita foi a alma da criação do concelho de Alcanena, como aconteceu com outros republicanos, por exemplo em Alpiarça, desanexada de Almeirim e S. Brás de Alportel desanexado de Faro. A influência do avô parece ter sido determinante na sua formação e consciência social.

Casa em 1951 com Maria José Ribeiro de cujo enlace nascem cinco filhos.

Cumpre o serviço militar no então Estado Português da Índia entre 1954 e 1957.

Executa trabalhos de restauro na Igreja de Nossa Senhora do Mar em Damão e juntamente com artistas locais trabalha o barro e o marfim.

Inicia a sua vida propriamente profissional nos escritórios da Siderurgia Nacional em 1949 onde trabalha durante 24 anos. O contacto com o aço e o ferro era indispensável, materiais que vem a utilizar em alguns dos seus trabalhos.

Conhece, entretanto, Almada Negreiros e Artur Bual com quem troca impressões e experiências que o enriquecem.

È autor de uma escultura em aço de 5 toneladas que foi colocada nas instalações do Clube do Pessoal da Siderurgia Nacional.

Entre 1972 / 73 ilustra as capas de vários livros em Portugal e no Brasil.

Dirigiu também as galarias Futura e Opinião.
Expõe Hiroxima, Apocalipse, poema para Manuel Alegre, o que fez mexer as críticas do regime salazarista.

Entre 1973 e 1983 escreveu vários textos de apresentação de trabalhos de colegas entre os quais de Silva Palmeira, seu “vizinho” de Santarém.

Continua trabalhando na arte que lhe dá prazer, realizando exposições individuais ou celectivas (Artur Bual e Francisco Simões, por exemplo e é este que faz o seu busto em bronze, em 1980).

Entra também na arte de azulejaria e a sua poesia é editada em “Cantares de Amigo” com mais três poetas. (1983)

Faleceu em Lisboa em 18 de Maio de 1983, tendo-lhe posteriormente sido prestadas várias homenagens.

_______________________________________

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. 
Boletim da Junta de Província do Ribatejo de 1937-40. Dir. e Ed. de Abel da Silva, p. 692 e 693.
Tomás Paredes, Presidente da Associação de Críticos de Arte de Madrid, 2010.


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Eusébio Tamagnini


Eugénio Barbosa Tamagnini de Matos Encarnação nasceu em Tomar a 8 de Julho de 1880. Era filho de Augusto Barbosa Tamagnini da Encarnação e de Antónia Adelaide de Matos da Encarnação.

Frequentou os liceus de Santarém e Coimbra, tendo-se matriculado em 1898 no 1º ano da Faculdade de Filosofia Natural na Universidade de Coimbra, curso que terminou em 1901. Depois de ter passado pela secção de Histórico-Naturais obteve o lugar de Doutor em 16 de Julho de 1904.

Foi nomeado lente substituto de Ciências Histórico-Naturais da Faculdade de Filosofia da Universidade de Coimbra em 4 de Fevereiro de 1905, tendo sido promovido a lente catedrático na regência da cadeira de Antropologia.

Regeu as mais variadas cadeiras em diversos cursos que seria fastidioso enumerar.

Foi Vice-Reitor da Universidade de Coimbra (1916-1919).

Político de extrema direita, ligado inicialmente ao Integralismo Lusitano e ao Nacional Sindicalismo, acabou, como é natural, por aderir ao ideário do Estado Novo, tendo sido Ministro da Instrução Pública (1934-1936). É durante esta vigência que o conselho de Ministros assina o diploma de 13 de Maio de 1935 destinado a iniciar a depuração dos serviços públicos e de uma assentada foram atingidos 33 funcionários civis e militares, entre os quais figuras como Abel Salazar, Álvaro Lapa e o General Norton de Matos.

A partir desta altura o Ministério passou a designar-se de Educação Nacional.

Pertenceu ao Conselho Superior de Instrução Pública e à Junta Nacional de Educação.

Deu aulas na Universidade das mais variadas matérias da sua especialidade.

Faleceu em Tomar a 1 de Novembro de 1972.

_______________________________________

Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol. 30, pp 607,608 e 609.
http://www.uc.pt/org/historia_ciencia_na_uc/autores/ENCARNACAO_eusebiobarbostamagninidematos
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Manuel dos Reis Tavares

Ermida de Sto. Estêvão
Nasceu em Santarém em 1590. Médico, Poeta, compositor musical e escritor.

Escreveu: Controversiae Philosophicae, et Nedicae ex- doctrina de febribus, Lisboa, 1667; De duobos magnis Artis Medicae auxiliis tractactus duplex, in quo difficilioris questiones circa  sanguinismisionem, etc, Lisboa, 1671.

O primeiro referido foi classificado no catálogo de bons autores.

Entre outros trabalhos que deixou manuscritos contam-se  uma obra sobre Cirurgia Especulativa  e um livro de Matemática.

Compôs uns Psalmos a várias vozes e uma Ladainha a Nossa Senhora.

Parece que compôs uma poesia com as letras dispostas de tal maneira que se liam conforme o lado considerado em português, castelhano e italiano.

Segundo Luís Matoso “Chegado o anno de 1663 havendo já passados 397 desde o de 1266, em que o Santíssimo Milagre soccedeo, sem nelles haver quem tomasse por impreza converter hum lugar exposto a ser violado com irreverências, em Sagrado Templo, para nelle se tributar a Deos adorações, vivia nesta Villa o Licenciado Manoel dos Reis Tavares, graduado em Medicina, inflamado no amor de Deos, e na devoção do Santíssimo Milagre, fundou nos ditos pardieyros, com sua mulher Margarida Cezar de Almeyda, huma notável Ermida em memoria do mesmo Milagre Santíssimo, para o que fez huma justificação em que se produzio mais de 15 testemunhas das pessoas principais desta Villa, e da freguesia de Santo Estêvão, que depuzeram ser aquelle o mesmo lugar, em que Deos obrara o Santíssimo Milagre, pello ouvirem dizer sempre a seus pays, e avós e que estes o tinham já ouvido dizer a seus antepassados, e ser tradução constante; e algumas testemunhas juraram que hindo às mesmas cazas algumas vezes vizitar huma Maria Penteada, que as possuía e nellas habitava, sentiam hum cheyro tão suavíssimo, que parecia couza do Ceo.”

A obra veio a ser acabada e debaixo do altar jazem sepultados os seus fundadores.

Existe nele uma inscrição nos seguintes termos: “ Desta casa, onde Deos fez o Santíssimo Milagre anno de 1266 fizeram igreja o Licenciado Manoel dos Reys Tavares,e Margarida Cezar de Almeyda, sua molher e a dotaram, e jazem debayxo do Altar della.”

Manuel dos Reis Tavares morreu em Santarém em 25 de Novembro de 1686,
_____________________________________

Santarém Ilustrada, Luís Montês Matoso (1738) (Transcrição e texto introdutório de Martinho Vicente Rodrigues), Junta de Freguesia de Marvila, 2011
Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol 30, p 817
Santarém no Tempo, Virgílio Arruda, 1971, p 534